Campanha de Comunicação para a TDT

 

Um em cada dez portugueses não está informado sobre TDT” diz um estudo da GfK Metris. O mesmo estudo refere ainda que mais de metade dos portugueses que aderiram à televisão paga no último ano fê-lo por causa da TDT.

A população portuguesa não está informada nem pode estar a menos que acompanhe as notícias e que perceba mais ou menos o que quer dizer ter televisão digital. A Estratégia de Comunicação da TDT foi quase nula e, a menos de três meses meses do apagão analógico surge uma campanha televisiva, que engloba também mupis, e que diz “se não tem televisão paga, a partir de Janeiro vai deixar de ver TV”. What?????? Já não chegava algumas empresas de televisão por subscrição tentarem ganhar novos clientes com esta mensagem enganadora, agora a própria campanha de comunicação da TDT vem dizer o mesmo??? E pensar que é suposto serem aplicadas coimas a quem leve as pessoas a pensarem, erradamente, que têm de aderir a um serviço de TV por subscrição para continuarem a ver TV…

Seria assim tão difícil dizer algo como “se não tem televisão paga, a partir de Janeiro terá de ter uma televisão compatível com o sinal digital ou comprar um receptor que consiga recebê-lo”. Não é brilhante, pois não? Não é o melhor copy do mundo e teria que ser trabalhado mas explicaria muito mais às pessoas e não levaria a possíveis coimas… mas a verdade é que também ninguém vai aplicar coimas a mensagens enganadoras da PRÓPRIA campanha de comunicação da TDT…

Creio que um assunto tão delicado para a maioria das pessoas exigia outro tipo de cuidado na comunicação. Sugerimos o blogue TDT en Portugal que apresenta um spot espanhol para a introdução da TDT neste país para que possamos perceber as diferenças… ninguém fez benchmarking antes de colocar no ar a campanha brilhante que temos o (des)prazer de ver atualmente? Ninguém é perfeito e todos cometemos erros mas creio que há erros que não são aceitáveis… e enganar o consumidor é um deles.

Parece que agora a ANACOM vai distribuir seis milhões de Guias TDT. Só espero que, desta vez, a comunicação não leve a interpretações dúbias. De qualquer forma, quantas pessoas vão, de fato, ler o guia quando acreditam que já sabem que para continuar a ver TV têm é de aderir à televisão paga? Uma informação errada é, muitas vezes, difícil de ultrapassar.

Links úteis:

Informações da DECO que inclui um teste a 29 descodificadores.

A FNAC explica o que é a TDT.

Página Oficial da TDT.

O mobile será (é) uma realidade

 

Já não é novidade para ninguém, até porque o estudo já tem algum tempo mas creio que é importante recordar: o estudo apresentado em Dezembro de 2009 pela Morgan Stanley indica que, dentro de 5 anos, o acesso à internet móvel irá ultrapassar o acesso à internet através do pc, estando este acesso a crescer muito mais rapidamente do que cresceu o acesso à internet a partir de casa.

Este crescimento está intimamente ligado às aplicações como o Facebook que permitem a actualização atravéss do telemóvel e, mais recentemente (pelo menos em Portugal) à chegada dos smartphones que tenderão a ser cada vez mais baratos. Tendo em conta que grande parte da população dos países desenvolvidos tem telemóvel (ou até mais do que um telemóvel no caso de Portugal), é fácil perceber que a penetração da internet móvel poderá crescer rapidamente quando o seu acesso for mais barato e pudermos utilizar maior largura de banda (com a chegada da TV digital poderemos vir a utilizar o espectro remanescente para as redes móveis – dividendo digital). E este acesso móvel poderá ser utilizado para tudo. O que significa que os marketeers deverão estar atentos a este crescimento e posicionar-se já nas novas plataformas, tendo o cuidado de ter páginas com visualização adaptada para estes dispositivos. E claro, aqui as redes sociais têm um papel muito importante. Interessante a infografia apresentada por Sofia Pichihua para explicar Por qué usar social media en tu campaña (infografía).

Não esquecer que existem vários de redes sociais: horizontais, verticais, blogging, bookmarking, agregadores, multimedia, wiki e mundos virtuais. É importante estar em vários tipos de redes sociais (escolhendo as plataformas que melhor se adequam à comunicação pretendida). E, mais do que isso, não esquecer que as redes sociais são locais de sociabilização, de comunicação multidireccional pelo que não basta estar, é necessário interagir com os utilizadores e actualizar constantemente a informação. Infografia das redes sociais mais importantes de 2010.

My time

O ‘My time’ é já uma realidade ou um futuro longínquo…?

Em Portugal ainda se pensa que o ‘my time’ vai demorar a chegar ou que os portugueses não estão habituados a isso. E, na verdade, a maioria não estará… mas talvez se habituem rapidamente.

Tenho cabo há dois meses, com uma box de gravação e quase não veja nada à hora que dá, com excepção das notícias. O restante são séries que gravo e que vou vendo à medida do tempo que vou tendo disponível entre o trabalho, o jantar e a parte de dormir.

Acredito que a TV não vai desaparecer mas vai, com certeza, passar por enormes desafios a curto/ médio prazo especialmente com a chegada da TV Digital e todas as suas potencialidades.

Sobre este assunto ver a notícia do Correio da Manhã, ‘My time’ pode ditar o fim do horário nobre

TDT

Uma realidade já em 2009?

A PT diz que sim.

Perceba o básico da Televisão Digital Terreste neste artigo do Diário Económico.

Destaques de Imprensa

Do cinema para a televisão
Paramount de Viacom Inc, Metro-Goldwyn-Mayer e Lionsgate preparam canal de televisão.
Jornal de Notícias

Televisão digital pode chegar mais tarde ao Interior
Até 14% da população pode ficar sem TV Digital nos primeiros tempos.
Reconquista

Yahoo! anuncia unificação de todos os serviços
“O Yahoo! prepara-se para unificar todos os seus serviços, permitindo que os utilizadores acedam a toda a informação a partir de um único site.”
Diário Digital

A TV do Futuro

O jornalista Mário Zambujal lembra a confusão que foi o aparecimento do segundo canal público. “Havia pessoas a reclamar que iam perder conteúdos e que não sabiam como escolher”.

Algo impensável nos tempos de hoje em qué é imperativo haver diversidade, em que estamos habituados a escolher entre 100 canais e, como refere o jornalista Mário Crespo “entre a diversidade haverá, eventualmente, qualidade”.

Certo é que a era da Internet já chegou há algum tempo e hoje estamos habituados a fazer várias coisas ao mesmo tempo (o modo multi-janela do Windows ajudou a que nos habituássemos a isso) e queremos, a cada momento, ver o que nos apetece. caminhamos para a self-television em que, cada um de nós, irá formar a sua própria grelha de programação.

Tal como se diz na reportagem “a televisão mudou o mundo mas o mundo também mudou a televisão.” No entanto, a televisão “continua e continuará a ser uma contadora de histórias”. E isso não muda, o meio pode mudar mas o ADN da televisão como formato/ conteúdo continuará a ser o mesmo.

É preciso é repensar o veículo que a leva até ao telespectador.

Destaques de Imprensa

Cidade cinematográfica da NBP pode ser decidida este mês
A produtora NBP vai decidir até ao final do mês a localização da sua cidade cinematográfica que deverá ter uma dimensão de 35 hectares.
Jornal de Notícias

Espanhóis e finlandeses na corrida à televisão
O grupo finlandês AirPlus TV e a “holding” espanhola Abertis estão em conversações com empresas portuguesas para concorrer à TDT
Jornal de Negócios

SIC e Valentim de Carvalho Filmes passam “A Vida Privada de Salazar” para série de TV
A exibir entre o final deste ano e 2010.
Público

O Joost e a televisão do futuro

“Sobre a outra indústria, a da televisão, estamos todos sendo testemunhas de uma mudança que ninguém sabe ainda exatamente onde vai dar. É como o presidente do Joost diz: estamos, todos os envolvidos na indústria da televisão, trabalhando para ver para onde ela vai, e ninguém tem a fórmula ainda. O que estamos vivendo se pode comparar ao começo da televisão, quando não existiam ainda programas feitos para aquela mídia recém-inventada.”

Artigo de Cartaz Cultural

Televisão Digital Terreste: Ministro

Concurso arranca já em Fevereiro

A noticia completa no Correio da Manhã.

Tendências de media, telecom e tecnologia analisadas pela Deloitte

A Deloitte apresentou ontem as conclusões do Predictions 2008, um estudo global que apresenta tendências gerais para os mercados das telecomunicações, media e tecnologia, sem particularizar países.

Na área dos média, o Predictions 2008 estima um crescimento continuado para a publicidade online e para os serviços de televisão via Internet, mas olha para ambos sempre como complemento aos canais tradicionais e nunca como substitutos. Nesta área destaca-se ainda a tendência de redução continuada da pirataria online.

A notícia completa em tek.sapo.pt

A Agência Financeira destaca que a “Televisão vai sobreviver graças à Internet” e, citando este estudo, aponta o caminho: “Os operadores tradicionais deverão trabalhar no sentido de assegurar uma maior complementaridade entre os conteúdos emitidos nos canais on-line e os conteúdos emitidos no canal tradicional”